NOISERV

TAGV - Teatro Académico de Gil Vicente [Coimbra]
sábado, 20 de Maio de 2017
21:30

Desde 2009, altura em que, pela primeira vez, a Lugar Comum acolheu um concerto de noiserv, que o percurso ímpar deste músico português vinha avolumando o desejo de o voltar a fazer. 



Com cerca de 12 anos de existência, noiserv, “homem-orquestra”, ou banda de um homem só, tem vindo a afirmar-se como um dos mais estimulantes projectos da nova geração de músicos portugueses. No currículo conta com o bem sucedido disco de estreia “One Hundred Miles from Thoughtlessness” [2008], o EP “A Day in the Day of the Days” [2010], e “Almost Visible Orchestra” [2013], recentemente reeditado internacionalmente pela editora francesa Naïve, casa-mãe de projectos como Yann Tiersen, M83, entre muitos outros. O mais recente "00:00:00:00", de 2016, é um disco diferente daquilo a que noiserv nos tem habituado. A “orquestra de sons”, que tão bem lhe conhecemos, deu lugar ao som de um piano tocado a muitas mãos, enquanto da sua voz vemos sair, nos temas não instrumentais, histórias em português.



Dia 20 de Maio, pelas 21:30, será uma oportunidade única para assistir, no Teatro Académico de Gil Vicente, à apresentação do novo disco, bem como à revisitação dos álbuns anteriores.



----------------------------------------------------

"(...) rodeado de botões, teclados, metalofones e quaisquer objectos que produzem o som certo para determina canção, ou sentado simplesmente ao piano, David continua a ser um só homem (com o charme de um homem só)." - Ípsilon

"A paleta de sons no catálogo de Noiserv pode ser muito extensa, mas há um traço que acompanha todas as criações: o apuro nas composições e a marca da introspeção." - Jornal i

"Noiserv deixa para trás a roupagem electrónica, atira com o inglês às urtigas e surpreende com um disco feito exclusivamente de piano e cantado em português. Uma transformação total ainda que, por entre estas faixas, se distinga a caixa musical noiserviana que o compositor português tratou de construir com habilidade de carpinteiro." - Deus Me Livro

----------------------------------------------------

:: Bilhetes
8€ (≤ 25 anos, Estudante, ≥ 65 anos, Grupo ≥ 10 pessoas)
10€ (geral)

A subscrição anual da condição de "Associado Lugar Comum", no valor de 5€, permite o acesso a descontos e outras vantagens.

:: Reservas
bilheteira@tagv.uc.pt | 239 855 636
(segunda a sábado, 17h00-22h00)
Uma organização da Lugar Comum, em colaboração com o TAGV.

Evento de Facebook: [ link ]

organização / produção: Lugar Comum
colaboração: TAGV
apoios: Câmara Municipal de Coimbra / Rádio Universidade de Coimbra

DOUGLAS DARE

CAV - Centro de Artes Visuais [Coimbra]
sábado, 13 de Maio de 2017
22:00

Na pequena cidade costeira de Bridport, Douglas Dare cresceu sempre rodeado de música. A sua mãe, professora de piano, encorajou o filho a compor desde tenra idade, algo que este começou a levar mais a sério durante a sua formação no Liverpool Institute for Performing Arts. As suas composições elegantes e, ao mesmo tempo, assombrosas, valeram-lhe rasgados elogios e comparações a nomes como James Blake ou Thom Yorke, fazendo com que captasse a atenção da consagrada editora londrina Erased Tapes.


A partir de 2013, a relação com esta editora traduz-se numa mudança para Londres e em registos editados, primeiramente com o EP "Seven Hours" (2013) logo seguido pelo primeiro álbum "Whelm" (2014). Na sequência da edição e aclamação pela crítica destes primeiros registos, Douglas Dare começa a pisar palcos em nome próprio e na companhia de colegas da Erased Tapes, como Ólafur Arnalds ou Nils Frahm.


O seu segundo álbum, "Aforger" (2016), surge na sequência de uma conturbada fase na vida pessoal de Douglas Dare, em que este se questiona sobre os limites entre a realidade e a ficção, sobre o que significa a identidade e a percepção desta, numa sociedade dominada pela tecnologia. Esta temática atravessa os poemas originais que servem de base às composições deste segundo disco, misturado nos icónicos estúdios Abbey Road, por Fabian Prynn. "Aforger" representa uma evolução também na composição e no som de Douglas Dare, agora mais denso e sombrio, mas ao mesmo tempo vulnerável e íntimo.


Pela primeira vez em Portugal, o músico britânico traz todo o seu repertório na bagagem para apresentar, a 13 de Maio, no Centro de Artes Visuais, em Coimbra.

----------------------------------------------------

"An artist who genuinely has something to say about what it feels like to be alive in these times." - The Quietus

"Imagine John Vanderslice’s trembling melodic narration and pristine pop-rock craftsmanship applied to frigid electronic soundscapes out of a Thom Yorke solo album, and then get really excited." - Stereogum

"Douglas Dare’s music is solitary, passionate and moving. In the stories he tells, the melodies he sings and the conviction he sings them with." - The Line Of Best Fit

----------------------------------------------------

:: Entradas
6€ (associados Lugar Comum)
8€ (geral)

A subscrição anual da condição de "Associado Lugar Comum", no valor de 5€, permite o acesso a descontos e outras vantagens.

:: Reservas
lugarcomum.pt@gmail.com

Evento de Facebook: [ link ]

organização / produção: Lugar Comum
colaboração: CAV
apoios: Câmara Municipal de Coimbra / Rádio Universidade de Coimbra

PASCAL PINON

CAV - Centro de Artes Visuais [Coimbra]
quinta, 9 de Março de 2017
21:30

Com apenas 14 anos, as gémeas islandesas Jófríður e Ásthildur Ákadóttir formaram o projecto Pascal Pinon. Tendo desde muito cedo atraído o interesse da label berlinense Morr Music, viriam a editar um primeiro álbum homónimo (2009), caracterizado pela adolescência das harmonias e a utilização de um vasto acervo de teclados, xilofones e mesmo caixas de música, que o situavam na geografia delicada da twee folk.



"Twosomeness" (2013), o álbum que se seguiu, foi produzido por Alex Somers (Sigur Rós, Julianna Barwick), cuja intervenção ao longo do processo de gravação, viria a dotá-lo da densidade que faltara ao antecessor. O recurso a elementos electrónicos e a convivência com o legado de Bjork e dos Sigur Rós, renderam às jovens islandesas um rol de elogios por parte da crítica, que então assinalou a sua rápida maturidade sonora.



Foi preciso esperar mais três anos pela edição de "Sundur (2016), resultado do reencontro de Jófríður e Ásthildur, após um período em que a primeira formou um projecto de electrónica (Samaris), ao passo que a segunda frequentou um curso de música clássica em Amesterdão. Deixando para trás a estética do álbum precedente, "Sundur" marca um retorno à essência da escrita de canções, em torno de narrativas folk islandesas e de uma ideia de afastamento e proximidade,que pautou a vida das duas irmãs nos últimos anos.



Pela primeira vez em Portugal, as Pascal Pinon trazem consigo aquele que é o seu álbum mais cru, e o que melhor define a sua identidade, após um percurso de 7 anos. Ocasião para um há muito aguardado encontro com uma das referências actuais da música e tradição folk islandesa.


----------------------------------------------------

"They may have been apart for a while, but Sundur is proof that the musical connection between the two sisters is as strong as ever." - The Line of Best Fit


----------------------------------------------------

:: Bilhetes
4€ (associados Lugar Comum)
5€ (geral)

A subscrição anual da condição de "Associado Lugar Comum", no valor de 5€, permite o acesso a descontos e outras vantagens.

:: Reservas
Através do e-mail: lugarcomum.pt@gmail.com (mediante envio de indicação do nome completo + nº BI para posterior confirmação)

Os bilhetes reservados deverão ser confirmados e levantados no dia do concerto, no CAV - Centro de Artes Visuais (Pátio da Inquisição), entre as 21h00 e as 21h25.

Uma organização da Lugar Comum, em colaboração com o CAV – Centro de Artes Visuais.

Evento de Facebook: [ link ]

organização / produção: Lugar Comum
colaboração: CAV - Centro de Artes Visuais
apoios: Câmara Municipal de Coimbra / Rádio Universidade de Coimbra